Nos últimos 10 anos, triplicam os casos de HIV entre jovens gays de 15 a 19 anos


RIO - Uma pesquisa feita sob encomenda do Ministério da Saúde e divulgada pela revista "Medicine" aponta para um alarmante aumento dos casos de HIV/Aids entre homens gays no país, sobretudo entre jovens. A pesquisa avaliou 4.176 homens que fazem sexo com homens em 12 cidades, sendo que 3.958 (90,2%) passaram por testes de HIV. No resultado geral para todas as regiões, 18,4% dos resultados deram positivo. O número encontrado numa pesquisa similar feita em 2009 foi de 12,1%.

O estudo selecionou entre cinco e sete pessoas em cada cidade, chamadas de "semente", para serem entrevistas e testadas duas vezes em 2016. Cada indíviduo de cada grupo indicou, então, outras pessoas para participar e assim por diante.De acordo com os dados, a taxa de novos casos de HIV/Aids entre jovens de 15 a 19 anos no Brasil mais do que triplicou entre 2006 e 2015: passando de 2,4 a 6,7 casos a cada 100 mil habitantes. Já entre 20 e 24 anos, a taxa dobrou de 15,9 para 33,1 casos a cada 100 mil habitantes.

O estudo selecionou entre cinco e sete pessoas em cada cidade, chamadas de "semente", para serem entrevistas e testadas duas vezes em 2016. Cada indíviduo de cada grupo indicou, então, outras pessoas para participar e assim por diante.

MENOS CAMPANHAS DE PREVENÇÃO

O estudo traz uma série de razões por trás do aumento da incidência do HIV no país. Um deles é o esvaziamento de campanhas de prevenção destinadas ao público gay. No setor privado, a pesquisa menciona a perda de financiamento de organizações não-governamentais, o que levou ao fechamento de várias delas. Já no âmbito público, o fortalecimento do apoio de grupos conservadores, com as chamadas bancadas da "bala, boi e Bíblia", desmerece a inclusão da agenda em torno da sexualidade e gênero e reduz o apoio a políticas voltados para o universo gay.

Além disso, os pesquisadores citam mudanças no comportamento sexual, principalmente dos jovens. Entre elas, está o avanço de tecnologias que ampliou as formas de interação através de aplicativos, muitos deles voltados para relacionamentos.

Outro ponto levantado pela pesquisa é a emergência de um tipo de slogan que permeia o universo jovem: "Aids não me assusta mais". Por trás dele, está o cenário de avanço no tratamento da síndrome, propiciado pelo surgimento de antiretrovirais e iniciativas de prevenção, como a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição), que resultaram numa abordagem médica que trata a infecção do HIV como uma condição crônica ao longo da vida.

Via Gazeta Online

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.