Polícia prende seis criminosos em operação contra roubo de carros em Belford Roxo


BELFORD ROXO - A Polícia Civil do RJ prendeu, na manhã desta quinta-feira (30), seis pessoas em uma operação contra roubo de carros em Belford Roxo.

Segundo as investigações, a quadrilha atacava motoristas em diferentes pontos da cidade e roubava pelo menos três veículos por dia - uma média de 90 por mês - para revendê-los, depois de adulterar a placa e a documentação.

De seis mandados de prisão expedidos pela Justiça, três haviam sido cumpridos até as 8h por policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA). Outras três pessoas foram presas em flagrante - duas delas tinham fuzis.

A operação se concentra nas comunidades da Caixa D'Água e Parque Floresta, em Belford Roxo.

Mandados cumpridos
  • Tiago Batista, o TH, apontado como gerente de favelas de Belford Roxo e líder da quadrilha que atacava motoristas;
  • Vanio Amancio Freitas, responsável, segundo a polícia, por fazer a retirada de alarmes e rastreadores de veículos roubados;
  • Igor Ferreira Pitta, apontado por ser o receptador de peças, especialmente kit-gás.
Casa em São João de Meriti onde foi preso Tiago Batista, o TH, gerente de favelas de Belford Roxo e líder da quadrilha que atacava motoristas. — Foto: Divulgação

O grupo é investigado por roubo de veículos, associação criminosa, tráfico de drogas e adulteração de documentos, clonando carros.

De acordo com as investigações, o grupo teria como base o Morro do Turano, na Tijuca, na Zona Norte.

“A quadrilha atacava motoristas e preparava esses carros, que viraram clones, com documentação fraudulenta do Detran, inclusive”, explica o delegado Alessandro Petralanda, diretor da DRFA.

Marcas de luxo, como uma Mercedes, eram negociadas a R$ 10 mil.

Material apreendido por policiais civis com assaltantes de veículos no RJ — Foto: Divulgação

Os veículos eram levados para outra ramificação da quadrilha, na Baixada Fluminense, que preparava o carro para virar clone. Para tal, um grupo desligava os rastreadores e estacionava os carros no interior de comunidades onde eram providenciados os "kits" de documentos.

Kit gás usado pela quadrilha para ser instalado nos veículos roubados no RJ — Foto: Divulgação

Após o roubo, a quadrilha se dividia em duas funções:

Um grupo adulterava documentos, placas e sinais identificadores do Departamento de Trânsito (Detran) criando clones para viabilizar a venda;
Outra parte do bando tinha a função de negociar os "novos" veículos.

Os carros clonados eram vendidos ou trocados por drogas com traficantes de outras comunidades sob o comando da mesma facção criminosa.


Fuzil e rádios apreendidos com traficantes em operação da Polícia Civil do RJ em comunidade de Belford Roxo - Foto: Divulgação

Via: G1

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.